Município está sem doses de soro antibotrópico para picada de serpente

Saúde

Redação 567 acessos



Os soros antibotrópico, anticrotálico e antilaquético não serão distribuídos nos municípios brasileiros nos meses de junho e julho devido adiamento do cronograma de entrega de antiofídicos ao picadas por jararacas na cidade. Contudo, demais antiofídicos ainda tem doses no estoque.

O Instituto Butantan, Instituto Vital Brazil (IVB), Fundação Ezequiel Dias (Funed) e Centro de Produção e Pesquisa de Imunobiológicos (CPPI), que são os laboratórios oficiais brasileiros, estão desde 2013 realizando reformas nos parques industriais e adequações exigidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Com isso, houve a interrupção na produção para cumprir normas definidas por meio de Boas Práticas de Fabricação (BPF).

O atraso por parte do Butantan também ocorreu na assinatura do contrato em 2016, além de outras várias justificativas apresentadas também pelos outros laboratórios, ocasionando reprogramações dos cronogramas de entrega. Furto de animais, problemas no abastecimento de matérias-primas e na produção foram apresentados.

As solicitações por parte do Ministério se baseiam nos pedidos mensais de soros realizados pelas secretarias estaduais da saúde, que acompanham dados epidemiológicos, incremento anual, perspectivas de subnotificação, perspectivas de perdas relacionadas aos imunobiológicos, quantitativos, estoques disponíveis, cronogramas de entregas futuras pelos laboratórios produtores e situação de emergências em saúde.

Devido a difícil situação na produção, o Ministério da Saúde recomenda que é necessário cumprir os protocolos de prescrição e ampla divulgação do uso racional dos antiofídicos e a alocação das doses de forma estratégica em áreas de maior risco de acidentes e óbitos.

Conforme o gerente do Departamento de Saúde Coletiva, Edgar Prates, as ampolas do município acabaram nesta semana quando mais um caso de picada de serpente jararaca ocorreu em Paranatinga e as doses foram remanejadas de Rondonópolis.

Edgar explica que em situações de emergência, a Secretaria solicitará auxílio da rede estadual e nacional de saúde para possíveis transferências de pacientes ou remanejamento das doses.

Nesta semana a Secretaria encaminhou documento informando a vulnerabilidade em caso de picada de serpentes do tipo Jararaca à Procuradoria Federal, além de um memorando para a central de regulação.

Comente, sua opinião é Importante!