Petterson Silva - artista plástico matogrossensse

322 acessos


No dia 08 de maio (terça-feira) é comemorado o Dia do Artista Plástico. Para homenagear a categoria, a equipe de reportagem do jornal Folha Regional entrevistou nesta semana, o artista Petterson Silva, 28 anos. Natural de Rondonópolis, ele falou sobre a paixão por artes, a carreira e o reconhecimento do trabalho fora do país.
1. Folha Regional – Qual foi seu primeiro contato com a arte?
Petterson Silva – Meu primeiro contato começou logo na infância, assim como toda criança, porém, eu notei assim que os meus desenhos agradavam as pessoas, aos meus colegas e percebi que eu tinha um potencial a mais. Então, com 10 anos, eu ousei experimentar tinta óleo e pincel. Claro que também tem a influência na escola, aprendendo sobre arte, história da arte, renascimento, arte barroca, e eu fiquei vislumbrado. Eu lembro que o meu primeiro quadro foi uma arara vermelha, na época que eu morava próximo ao córrego Arareau.
2. Folha Regional – Em qual momento você se sentiu ou foi reconhecido como artista plástico?
Petterson Silva – Em 2007, eu participei de um edital para expor no SESC Arsenal, em Cuiabá, onde seria feita uma seleção. Dai em diante que eu fui selecionado para compor o time que ia expor naquele ano na galeria do SESC Arsenal, percebi realmente que meu trabalho agradava a todos e também a quem entende. O tema era “Riquezas de Mato Grosso” foi minha primeira grande exposição, não fugiu muito do que faço hoje, que são indígenas, araras, árvores. Claro, que hoje evoluiu ainda mais acho importante isso, porque eu busco sempre melhorar, quando eu concluo um quadro, sei que posso melhorar, evoluir, parecer real.
3. Folha Regional – Você tem formação na área? Considera-se um autodidata?
Petterson Silva – Sim, um autodidata. Estou cursando Artes Visuais no Centro Universitário de Belas Artes, em São Paulo (SP), mas recentemente, tive que trancar por conta de uma oportunidade de ouro que é uma exposição em Miami (EUA) agora em junho e eu não estava dando conta. Houve um convite da Art & Design Gallery, a dona dessa galeria viu trabalho na internet e certo dia, ela entrou em contato comigo, ela vai ser minha representante nos Estados Unidos, vai expor seis quadros que irei enviar, será o contrato de um ano.
4. Qual tema você irá usar nesta exposição em Miami?
Petterson Silva – Nesta exposição, vou ousar um pouco mais. Não irei para o lado indígena, mas as aves permanecem. Então vão ser figuras humanas, algumas mulheres com aves. As estrelas dos quadros serão as aves. Fiquei muito feliz, geralmente tem que dar a cara tapa, e essa não, a dona da galeria veio atrás de mim e acreditou no meu potencial. Ela acha que realmente possa dar um resultado bom e que possa agradar ao público lá fora.
5. Folha Regional – Qual a técnica e abordagem que você usa no seu trabalho?
Petterson Silva – A técnica que eu costumo falar óleo sobre tela, que os grandes mestres usam, mas eu foco sempre no realismo, que exige muito do artista sempre há ponto de luz, sombras bem marcantes, a ideia da obra, da pintura, parecer de verdade, é um desafio que você tem que dar vida a pintura e não é fácil, demora muito tempo de dedicação. Levam dias para ficarem prontos os quadros, de duas semanas a 30 dias.
6. Folha Regional – Tem alguma exposição que você considera fundamental para sua carreira?
Petterson Silva – Em Paris, na França, no final do mês de outubro do ano passado, foi único. Fui convidado por uma curadora de arte brasileira, o evento chama Art Shopping 2016, todo ano acontece no Museu Carrousel Du Louvre (Museu do Louvre), tinham 700 expositores, com inúmeros artistas.
7. Folha Regional – Você também recentemente foi premiado em um evento fora do país?
Petterson Silva – Sim, em junho de 2016, teve um salão de artes em Liechtenstein, houve o concurso realizado pela Casa Brasil, uma mega loja de produtos brasileiros. Me inscrevi com um quadro uma indiazinha com araras, sempre nesse tema, confesso que não coloquei muita fé que ia ganhar porque está tão em alta o abstrato e o moderno. Esse prêmio fora do Brasil foi o primeiro de peso e valorizou muito meu trabalho, abriu muitas portas, como o convite para expor em Miami.
8. Folha Regional – Quais são suas influências e os principais artistas?
Petterson Silva – Tem um artista italiano que eu tiro chapéu chama Tiziano, ele é da safra do Leonardo da Vicci. Agora artista brasileiro gosto muito de Portinari, um grande nome, pelo fato de sempre colocar o Brasil em evidência, o qual eu me identifico.
9. Folha Regional – Você também foi convidado a expor seu trabalho em Portugal, como foi isso?
Petterson Silva – Sim, a exposição seria agora em maio, mas houve uma mudança de data, ficou para o final de setembro e todo o mês de outubro. Serão três brasileiros que farão uma exposição coletiva, é um evento realizado pela Literart que ocorrerá em Odivelas. Você vê como uma coisa leva outra, teve o prêmio em Liechtenstein, a exposição na França e com isso as portas foram se abrindo e me descobriram também em Portugal.
10. Você tem o projeto de fazer uma exposição em Rondonópolis?
Petterson Silva – Eu quero expor no Casario de Rondonópolis, acho que estou devendo isso, vai acontecer esse ano, mas ainda não posso dizer data, em razão destas duas grandes exposições. A ideia é trazer para o público de Rondonópolis a oportunidade de conhecimento sobre aves do Brasil e terá o nome de “Cores que voam”.

Comente, sua opinião é Importante!